Resolução de problemas complexos na era da IA

Dando continuidade ao artigo “Você tem medo da IA – Inteligência Artificial?”, hoje apresentarei minha visão sobre a competência “Resolução de problemas complexos”.

Entendo como problemas complexos todos os assuntos que são controversos e que possuem várias interrelações com diferentes aspectos, pessoas e temas que fazem parte de um todo maior.

Para que possamos encontrar uma solução para algo, precisamos primeiramente enxergar em determinada situação um problema ou uma oportunidade de transformá-la em alguma coisa ainda melhor.

Isso significa que desenvolver nossa habilidade de olhar uma mesma situação por diferentes perspectivas pode nos ajudar a enxergar com maior profundidade um problema ou uma oportunidade de melhoria.

É importante lembrar que para que um problema seja resolvido de forma efetiva, nossas habilidades sociais e diplomáticas também precisam estar presentes, porque normalmente as situações, principalmente as mais complexas, precisarão do envolvimento de outras pessoas em diferentes etapas do processo.

Uma forma muito eficiente de lidarmos com problemas complexos é utilizando nosso “pensamento criativo”, ou seja, a nossa habilidade de identificar um problema, analisá-lo, buscar soluções, formular hipóteses, testá-las e implementá-las.

Existem várias ferramentas disponíveis no mercado que poderão auxiliar em diferentes etapas deste processo como: identificação da causa raiz, brainstorming, PDCA (Plan – Do – Check – Act), Investigação Apreciativa, dentre outras.

Segundo o World Economic Forum, a resolução de problemas complexos se refere à habilidade de identificar as relações entre soluções industrializadas e soluções artesanais para problemas que ainda não surgiram. Ela subsistirá mesmo com a popularização dos equipamentos de inteligência artificial.

À medida em que a IA for avançando, ela certamente poderá nos ajudar em várias etapas deste processo, principalmente na identificação de problemas, na comparação de dados de diferentes fontes, no desenho das alternativas que sejam mais produtivas e positivas para os problemas que surgirão a nossa frente. Porém, acredito que o elemento humano ainda fará a diferença na solução final de muitos dos problemas, porque nossa capacidade criativa, de inovação e de empatia difIcilmente serão substituídas pela IA, ao menos inicialmente.

E você, como vê esta parceria entre a IA e o homem no processo de solução de problemas complexos?

Grande abraço e nos vemos no próximo artigo.

Marcia Sales Longaretti